P'ra não dizer que não falei das flores


Quarta-feira, Dezembro 19, 2007

 



quando as flores se calarem diante de nossos olhos surdos
e o perfume desaparecer de nossas narinas
talvez sejamos capazes não mais de perceber a vida
mas conscientizarmo-nos, ao menos,
de que aquilo que agora temos
não passa de mera sobreviência

porque o silêncio das flores é o silêncio das almas
a ausência do perfume é o vazio do espírito
a incapacidade de vermos a flor que se resseca
diante de nossos olhos
a flor que se esvai em pálidas pétalas
é nossa incapacidade de sentir a vida
de tirar da existência ainda algum alento
alguma utópica explicação para este todo já vazio
deste todo autodestrutivo

porque vem das flores a verdadeira beleza
é delas que emanam a sensibilidade
e a fragilidade tão necessárias à vida

mas se flores já não há
como havemos nós inundados de alguma vida?
restam-nos as pedras e os espinhos e as sementes mortas
no solo árido do corpo ressequido que nos é esmolado
neste dia-a-dia em que nos danamos
neste cotidiano em que nos enganamos
ficcionando que somos alguma coisa
além do trágico e do medo que nos consome.



Texto: copyright (c) 2007 by Alessandro Eloy Braga
Imagens das flores: Corbis



Plante mais flores:

1:07 AM


Sexta-feira, Julho 20, 2007

 



se tudo fosse flores...

se tudo fosse flores
tu desfilarias com teus pés entre margaridas todos os dias
e choveria pétalas de rosas por sobre teus cabelos
perfumando teu corpo
acariciando tua pele

se tudo fosse flores
passaríamos os dias entre engarrafamentos de beija-flores
que voariam em volta de nós
beijando flores beijando

e as árvores seriam multicoloridas
vida ainda mais além do verde
vida nas tulipas
com que eu te presentearia diariamente
vida nas rosas e begônias
matar a sede com copos-de-leite
descansar abraçados entre os boganvilles
correr e brincar entre as flores do campo
brincar e abraçar e beijar

e ao final do dia
final de todo dia
eu chegaria em casa
sorrateiramente
te surpreenderia largada
nua
sobre a cama
à minha espera
assim tão bela
tentação
para oferecer a ti
eternas semprevivas.



Texto: copyright (c) 2007 by Alessandro Eloy Braga
Imagens das flores: Corbis



Plante mais flores:

1:17 AM


Quarta-feira, Maio 30, 2007

 



o que é um país?
o que é uma nação?

um país
é mais que um território
é mais que o câmbio
é mais que seus políticos
é mais que suas instituições públicas
suas instituições privadas

um país
é a sua história
é a sua cultura popular
mas muito mais que isso
é sua cultura intelectual
porque o homem não vive de artesanato
o artesanato não corrige problemas
não apresenta soluções sociais
não enobrece o homem
não o torna mais maduro
emocionalmente e intelectualmente

artesanato é criatividade
mas não é reflexão
senão apenas reprodução
cópia não pensada
apenas técnica

o Brasil tem sido um país de artesanato
desde do início de sua organização social
aprendemos que o melhor é copiar e não produzir
o melhor é copiar e não pensar e repensar
o melhor é aceitar e não criticar modificar
o melhor é andar no fluxo do mundo
e não construir suas próprias tradições
morais e éticas
o melhor é estar confortável é o prazer é o exercício do direito
e não o estudo a responsabilidade e o dever

o que é uma nação?
uma nação é antes de tudo: EDUCAÇÃO
uma nação é troca comprometimento
responsabilidade social e individual
é olhar para o futuro
mas jamais perder suas raízes mais fortes
mais significativas raízes norteadoras

uma país uma nação
realizam-se apenas com a consciência
que seu povo tem de seus deveres com esta nação
deveres uns com os outros
deveres consigo mesmo
desta disciplina nascerá a liberdade
e o prazer será alcançado no fruto colhido
não na caminhada
porque o caminho a ser vencido
é de trabalho e não de êxtase

se queremos ser um país e uma nação digna
precisamos antes de qualquer outra coisa
assumirmos nosso DEVER de nos EDUCAR.



Texto: copyright (c) 2006 by Alessandro Eloy Braga
Imagens das flores: Corbis



Plante mais flores:

2:29 AM


Quinta-feira, Setembro 07, 2006

 



a idéia de que somos maiores que tudo talvez venha da consciência que alguns têm de que cada um por si só já é um mistério inesgotável poderíamos passar a vida toda tentando compreender a nós mesmos e nos construindo mas nos esquecemos deixamos então de ser grandes e vamos buscar a grandeza e o significado da existência em outras coisas nos anulamos como somos ingênuos somos a própria profecia.



Texto: copyright (c) 2006 by Alessandro Eloy Braga
Imagens das flores: Corbis



Plante mais flores:

5:46 PM


Quarta-feira, Setembro 06, 2006

 



HOJE É DIA 7 DE SETEMBRO

hoje é dia 7 de setembro
hoje é dia de uma utopia
hoje é dia de um sonho
hoje é dia de um país

mas o que é um país:
um país sou eu
um país é você
um país somos nós
um país é a educação
um país é a escola
um país são os livros
um país é a justiça
um país são os escritores
um país são os professores
um país são os médicos
dentistas
garis
estudantes
e todas as profissões

um país é ócio
é lazer
é praça
é bosque
é parque

um país é família
é uma criança
é um idoso
é um adulto

um país é mata
é rio
fauna
flora

um país não é um pib
não é uma balança comercial

um país é distribuição de renda

um país não é exportação
um país é comer e beber do melhor que o país produz

um país é ter acesso

um país não é um exército
um país são as pessoas

um país é a dignidade
é a solidariedade
é a consciência
é a responsabilidade
é a civilidade
é a honestidade
é o trabalho

um país não é um governo
um poder
ou outro poder
- um país é viver o país -

um país é comprometimento
é a terra
é a nação

um país não é constituição
um país é cidadania

um país não é o futuro
um país é o passado
um país é o presente

um país não é gasto público
é investimento público

um país é preocupação com o próximo
não é crime
não é ignorância
não é medo
não é barbárie

um país não é lucro
um país é vida com qualidade

um país é querer bem
é viver bem

hoje é dia 7 de setembro
hoje é dia de uma utopia
hoje é dia de um sonho
hoje é dia de um país

um país é a paz.



Texto: copyright (c) 2006 by Alessandro Eloy Braga
Imagens das flores: Corbis



Plante mais flores:

8:59 PM


Sexta-feira, Agosto 25, 2006

 



PELO DIREITO AO VOTO NULO
(por ALESSANDRO ELOY BRAGA, Professor de Literatura e Escritor de Brasília, em 24/08/2006)

Sei que não estou só na decisão definitiva de votar nulo nesta e em outras eleições que ainda estão por vir, enquanto o panorama político brasileiro continuar sendo este que aí está: o da criminalidade pública, explícita e impune. Esta decisão é fruto de muita reflexão e consciência política e social, jamais de um pessimismo gratuito. É uma decisão madura de alguém que não enxerga entre as opções dadas a nós eleitores uma única que seja representativa dos anseios e ideologias que nutro. Ainda mais, porque não vejo qualquer possibilidade de renovação nas atuais estruturas dos três poderes da forma como estão organizados.

O que tem me preocupado ainda mais, além de todo esse quadro político degradante que se instaurou e se tornou espetáculo televisivo e por isso banalizado, encoberto por uma falsa bandeira de democracia, é a posição hipócrita que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tem assumido na promoção das atuais eleições. Posição esta que já vem sendo tomada desde que re-inauguramos as eleições diretas no Brasil. Uma hipocrisia que agora se torna ainda mais explícita. Contudo, não é algo que me surpreende, ao considerar que o TSE também é parte da estrutura e da massa falida que sustentam os três poderes no Brasil.

Na mídia, circulam, incessantemente, comerciais do TSE afirmando coisas do tipo: "o eleitor é quem detém o poder", "o Brasil é tão bom quanto o seu voto", "o eleitor precisa escolher um candidato", "o Brasil está nas suas mãos", "pense e vote". Nos comerciais, ensina-se a votar em candidatos e em branco, mas não se ensina como votar nulo. Na urna eletrônica, existem as teclas dos números, a tecla "voto branco", a tecla "confirma" e a tecla "corrige", porém não existe a tecla "voto nulo". Nas pesquisas eleitorais veiculadas nos jornais, o índice dos votos nulos vem sempre agregado ao índice dos votos brancos. Nestes três casos, todos de responsabilidade do TSE, ficam claros alguns equívocos, que, a meu ver, são propositais:

(1) no caso da propaganda eleitoral veiculada pelo TSE, tenta-se passar a falsa imagem ao eleitor que ele é quem tem o poder sobre o executivo e o legislativo, porque, teoricamente, tais poderes são formados por pessoas escolhidas pelo povo para representar o povo. No entanto, não há formas conhecidas ou divulgadas de o povo retirar, quando bem entender, qualquer um dos eleitos quando os eleitores julgam que eles não estão desempenhando suas funções como deveriam. Os políticos é que julgam tais questões ao seu bel prazer. Além disso, não é o povo que decide quanto ganhará um político, mas o político é quem decide quanto ganhará o povo, por exemplo, ou quais as prioridades sociais devem ser resolvidas primeiro. Quem manda em quem, afinal?

(2) no caso da urna eletrônica, desenvolvida pelo TSE, por que não há a tecla "voto nulo"? Nas propagandas, por que não é ensinado ao eleitor como votar nulo? Para votar, nulo, como alguns sabem, é preciso digitar um número incorreto e confirmar. Todavia, desta forma, o voto nulo passa a significar apenas "erro de digitação" e não a insatisfação com os candidatos e com a estrutura política e a intenção de não votar em ninguém, como é o caso de todos que desejam votar nulo. Por outro lado, há a tecla "voto branco", cujo significado é "para mim tanto faz". Tudo isso mais parece o final do antigo programa Você Decide, da Rede Globo: "Você faz o final: quer o final 01 ou o final 02?". Na verdade, não expressamos o real desejo, porque tudo já está pré-determinado. Isso é democracia e direito ao voto? VOTAR NULO também é votar, contudo este direito nos é omitido.

(3) no caso das pesquisas eleitorais, cujos modelos também são definidos pelo TSE, associar o voto nulo com o voto branco significa tirar do voto nulo o seu real significado: a indignação. Por exemplo, se uma pesquisa mostra que votos nulos e brancos somam 12%, quantos destes são brancos e quantos são nulos? E se 10% forem nulos, significa que esta parcela da população não está satisfeita com a estrutura política e quem não vê candidato algum que mereça receber seu voto. Além disso, o TSE acaba determinando que votos nulos e brancos significam a mesma coisa, quando isso não é verdade.

Ao que me parece, vivemos em uma democracia em que não podemos ter o direito de escolha no caso de querermos ou não estes candidatos que aí estão e o que eles representam. Vivemos em uma democracia em que o eleitor é induzido, senão obrigado, a votar em alguém ou se abster, não tendo a chance democrática e clara de negar toda essa politicagem que aí está instalada. O princípio básico da democracia não existe: o direito de escolha de forma igualitária.

Mas por quê? Porque se os votos nulos forem em grande número tornar-se-á explícita a negação à estrutura política, isso não pode acontecer em hipótese alguma. Se a Lei Eleitoral não considera a anulação das eleições pelo coeficiente de 50% mais 01 dos votos (o que seria legítimo, visto que os mais votados não teriam a maioria da representatividade dos eleitores), se ela obriga o eleitor a ir votar, se o voto nulo não é computado como voto válido, se ela não dá espaço para que a estrutura política seja reprovada, isso só prova que as Leis são realmente feitas, em grande medida, para satisfazer os interesses dos que as fazem e do Sistema a quem elas servem e representam e que, em muitos casos, como na Lei Eleitoral, não é, necessariamente, o povo. Talvez, por isso, o TSE esconde o real valor e poder do voto nulo, para que a estrutura política que o alimenta continue existindo e para que seja mantida a corrupção, a hipocrisia e a roubalheira institucionalizadas que sustentam o executivo o legislativo e também o judiciário. Porque somos obrigados a escolher entre o Nada e o Coisa Nenhuma, entre o Sujo e o Mal Lavado que aí estão. Desta forma, não é possível a nós eleitores DIZER NÃO! Afinal, como já vimos, todos parecem fazer parte do mesmo "saco".

Não, o Brasil não é tão bom quanto o meu voto, como afirma a propaganda do TSE, o Brasil é tão bom quanto os políticos querem fazer dele. É muito fácil colocar toda a "culpa" nas mãos dos eleitores e não assumir a própria culpa sobre a realidade da política brasileira e suas conseqüências sociais e econômicas. Afinal, não é o eleitor quem desvia verbas destinadas a ações sociais, por exemplo, são os políticos. É como se um seqüestrador afirmasse para um pai que a culpa de sua filha ser assassinada foi dele, porque não tinha o dinheiro para pagar o resgate exigido. O TSE culpa o pobre e ingênuo eleitor que acreditou nas promessas milagrosas dos candidatos. Por que o TSE, por exemplo, não fiscalizou devidamente as campanhas eleitorais e não impugnou a eleição dos políticos que usaram caixa dois? Por que a Câmara dos Deputados não cassou o mandato de todos os Deputados que tiveram comprovado o recebimento de dinheiro oriundo de caixa dois e os fez devolver tudo? Por que os Deputados envolvidos no escândalo das ambulâncias não serão cassados e não devolverão o que roubaram?

Sugiro, então, e peço àqueles que comungam comigo deste mesmo anseio por uma democracia verdadeira, para que façamos uma campanha, a fim de que: (1) o VOTO NULO seja representado por uma tecla na urna eletrônica; (2) o VOTO NULO seja computado separadamente nas pesquisas eleitorais; (3) sejam ensinados ao eleitor, nas propagandas do TSE, a possibilidade do VOTO NULO e o significado que ele tem; (4) que o VOTO NULO seja um voto válido e que se ele representar a maioria dos votos que o processo seja anulado e novas eleições sejam chamadas e com novos canditados. Por que votar nulo não é "anular o voto" lavando as mãos, como é o voto em branco. VOTAR NULO representa o desejo de anulação da eleição como foi proposta, das candidaturas apresentadas e do status quo político a que assistimos. Penso que, só assim, começaremos a viver em uma democracia um pouco mais verdadeira, tendo em vista que o direito ao voto é o início de qualquer processo democrático.

O que desejo é o DIREITO de exercer minha cidadania de acordo com minhas ideologias, conforme meus valores e minha visão sobre a sociedade em que vivo. Não quero "anular" meu voto, quero VOTAR NULO. Repito: não consigo mais compactuar com toda a hipocrisia, a roubalheira, a injustiça, a impunidade e a falsa democracia que tomaram conta dos três poderes brasileiros e que se arraigaram de tal forma em nossa cultura que já as enxergamos e convivemos com elas como se fossem o comportamento correto, o modelo a ser seguido e perpetuado eleição após eleição. Contudo, por fim, o que esperar de um país em que aqueles que têm oficialmente o poder para fazer uma reforma política são, justamente, os que mais se beneficiam desta estrutura política podre que aí está?



Texto: copyright (c) 2006 by Alessandro Eloy Braga
Imagens das flores: Corbis



Plante mais flores:

1:09 AM


Quarta-feira, Agosto 09, 2006

 



as coisas sempre acontecendo e eu ainda por entender tantas delas mas sei que isso é algo que angustia só a mim algo que inquieta só a mim por esse não-entender é a minha maneira de ver tudo isso que aí está quanta coisa é fácil para os outros e para mim não quanta coisa é banal para todos e para mim não quanta coisa é insignificante para todos e para mim não

a flor que murchou seca é importante para mim o beijo que não foi dado é importante para mim a piscadela não correspondida é importante para mim a criança morrendo no Líbano é importante para mim a criança morrendo no Iraque é importante para mim a flor pisada no jardim público é importante para mim duzentos mortos na queda do avião é importante para mim a mulher atropelada quando corria para a fila do subemprego é importante para mim o policial que rouba sons dos carros é importante para mim os trinta ônibus incendiados em São Paulo é importante para mim a flor que não nasceu no asfalto é importante para mim

para mim importa o que penso o que sinto o que falo o que ouço o que vejo o que exalo o que inspiro o que expiro que vejo o que quero o que sonho o que não fiz o que fiz o que sou o que fui o que serei o que leio o que assisto o que ando o que tenho e o que não tenho o que sou aquele que está comigo

importam: o pardal cantando na janela as folhas de outono no chão a lua de inverno a inflação a corrupção o descaso a indiferença o emprego o desemprego a educação a má educação

as coisas sempre acontecendo e eu ainda por entender tantas delas: por que a minha flor ainda insiste em nascer?



Texto: copyright (c) 2006 by Alessandro Eloy Braga
Imagens das flores: Corbis



Plante mais flores:

2:37 AM


Domingo, Junho 18, 2006

 



parece que não há nada de novo tudo o que já por aí está soa como uma repetição contínua de um correr p'ra onde não se sabe estamos acordando todos os dias trabalhando todos os dias comprando todos os dias dormindo todos os dias apenas para esperar o próximo dia chegar qual o significado de tudo isso? por que correr trabalhar comprar dormir todos os dias? aonde o ser humano quer chegar? parece-me que o sentido da vida é simplesmente viver um dia após o outro no maior conforto possível tendo o máximo de prazer possível no entanto o simples fato de ter prazer já é algo raríssimo: se trabalho o dia inteiro se trabalho em casa e na empresa se perco horas preso em engarrafamentos se demoro horas em filas de supermercados bancos restaurantes cinemas quanto tempo me sobra para ter prazer? mas ter prazer é realmente tudo? viemos não sei de onde somente para termos prazer e para ter? eta crise existencial besta essa que me apurrinha a cabeça o coração e o espírito?!

alguém viu alguma flor hoje?



Texto: copyright (c) 2006 by Alessandro Eloy Braga
Imagens das flores: Corbis



Plante mais flores:

11:50 PM


Terça-feira, Abril 18, 2006

 



a chuva ainda está molhando a janela de madeira de minha sala e dela olho árvores e gramados molhados deles exalam um cheiro bom de frescor um cheiro de terra molhada um cheiro de vida um cheiro de paz meus olhos contemplam as nuvens acinzentadas uma textura única de macio algodão como aquele dos lençóis matinais meus olhos contemplam a luz opaca do dia que descansam meus olhos que assistem a mais um espetáculo singelo e belo o dia vai devagar enquanto vejo o mundo que recebe a chuva de braços abertos para que suas gotas banhem esse dia para que o refresquem meus olhos contemplam o sonho e a preguiça do dia e meu corpo se inunda de sensação tal que é tranqüilidade que é calmaria

meu olhos meu corpo o dia a calma o frescor a vida.



Texto: copyright (c) 2006 by Alessandro Eloy Braga
Imagens das flores: Corbis



Plante mais flores:

3:58 PM


Quarta-feira, Março 08, 2006

 



Ao Dia Internacional da Mulher

quando o primeiro raio de sol do primeiro dia
iluminou meus olhos
tu surgiste como a visão do inimaginável
estavas de pé olhando-me extasiado
enquanto tuas mãos de puro afago
com carinho tocavam minha alma pequena
compreendi que de tudo aquilo que o Criador
a este mundo havia dado
nada se comparava a tua forma
a tua luz a tua força e beleza
nada nem o som do mar ou o infinito do firmamento
porque via em teus olhos e ouvia na música de tua voz
que trazias marcado na beleza de teu corpo
o simples e imenso significado da perfeição: ser mulher.

Texto: copyright (c) 2006 by Alessandro Eloy Braga
Imagens das flores: Corbis



Plante mais flores:

2:10 AM









O Ponto de Encontro dos Blogueiros do Brasil



pétalas passadas
outras flores